Fazer o bem

Importância para a sua vida.

Existem muitas teses sobre fazer o bem e como isso pode influenciar em sua vida. Destacado como um valor moral, o bem é uma prática realizada há séculos.

No entanto, você já se perguntou qual a importância que esta prática tem para a sua vida e se de fato ela pode te transformar?

Entenda a importância de fazer o bem e como isso influencia na sua vida.

A origem do bem

Quando assistimos a algum filme, lemos um livro ou acompanhamos uma novela, podemos notar que sempre existem duas forças que disputam entre si: o bem e o mal. A maioria das pessoas, no entanto, torce para que o bem vença e que ele prevaleça no final.

 

Afinal de contas, somos treinados desde pequenos a entender que fazer o bem é bom e nos livra do mal. Porém, muitos de nós entendemos esta palavra de maneira superficial, pois, em matéria de fazer o bem, somos muitas vezes reprovados.

 

Somos reprovados por nossas ações e pensamentos, é fácil querer o bem, principalmente o nosso bem, mas fazer o bem, ah, fazer o bem é outro assunto.

 

Muitas vezes praticar o bem significa que teremos de renunciar alguma coisa em nossa vida, tempo de descanso, viagem, ou até mesmo guardar um segredo ou pensamento.

 

As manifestações do bem são infinitas, porém, muitos de nós não estamos preparados para executá-las.

 

O bem deve ser a superação de nós mesmos, dos nossos sentimentos mais baixos, como o ódio, o rancor, a inveja e a mágoa.

 

Uma ação benéfica é aquela que não escolhe quem será beneficiado. É fácil fazer o bem para quem se ama, quem se conhece, no entanto, é difícil realizar esta prática quando tudo diz ao contrário.

 

Uma ação, para ser verdadeiramente benéfica renuncia todo o orgulho e de despe de toda a materialidade humana.

 

É complicado pensar em todas estas coisas, pois afinal, será que de fato fazemos o bem ou estamos preparados para isso?

O que é o bem então?

O bem está nas coisas pequenas, simples, em coisas que mudam a vida do outro. Está em olhar para um mendigo na rua e não ter apenas dó dele. A dó não é sinônimo de que você seja uma pessoa boa. Na verdade o sentimento de dó está mais voltado para o egoísmo do que de fato para uma ação boa.

 

A dó é um sentimento de submeter o outro no pensamento a uma situação ruim, olhar e não fazer nada para que ela mude. A dó pode ser até mesmo acompanhada de prazer inconsciente, de ser superior ao outro naquela situação.

 

Mas voltemos à situação do mendigo na rua, se você passa por ele, se compadece dele, tenta ajuda-lo, isso mostra que você teve uma ação boa.

Não é preciso fornecer uma casa, não é preciso fornecer um teto, é preciso entender do que a pessoa precisa, talvez um prato de comida, uma copo d’água, um cobertor…

 

Talvez aquela pessoa esteja mais carecida de afeto e de compaixão do que propriamente bens materiais. Que tal um “Bom dia”, ou preguntar se ele precisa de algo.

 

Compaixão é isso, não é ter dó, mas é entender a dor do outro e não se calar diante dela, é fazer o seu melhor, diante daquilo que você tem.

 

A origem do bem é mais profunda do que acreditamos até agora. Talvez você tenha acreditado que até este presente momento você era uma pessoa boa, mas será?

 

Porque a maioria das pessoas não tem uma vida boa

Quando falamos em vida boa, falamos em uma vida saudável, em paz, próspera em todos os sentidos. Não quer dizer excesso de bens materiais ou luxo, até mesmo porque muitas pessoas que possuem este tipo de vida, não acredita que ela seja realmente boa.

 

E qual o motivo para que a maioria das pessoas não possua uma vida boa? A resposta é bastante simples de ser compreendida.

 

Note que estamos em um mundo de ação e reação, agrida alguém e será agredido, tente machucar um animal e seja mordido, trabalhe e ganhe dinheiro.

 

Estes são os elementos chave e que a maioria das pessoas não enxergam: é doando que se recebe.

 

Não é possível obter da vida ou das pessoas aquilo que você não consegue dar, é logicamente impossível que isso aconteça. Mas, muitas pessoas ignoram totalmente esta informação.

 

Na verdade, vivemos um ápice total de egoísmo: queremos muito para nós mesmos, mas não somos capazes de fazer algo em prol aos outros.

 

E escolhemos governantes como o mesmo perfil, e ainda assim, exigimos da vida algo bom, sem fazer nada em troca.

Reclamamos do aquecimento global e do calor que está em nossas cidades ou casas, mas somos incapazes de plantar uma árvore.

 

Reclamamos do modo como nossos chefes nos tratam, mas não damos a atenção devida aos nossos maridos, esposas.

 

Sim, reclamamos que não temos, mas nunca estamos dispostos a dar nada, queremos que as pessoas sejam boas conosco, mas não somos bons com as pessoas.

Acredite, este é um pensamento totalmente incoerente.

 

Duvida? Então faça um teste, procure ser mais calmo, compreensivo, ouvir alguém, veja como o seu dia se transforma. Entenda o problema do outro ao invés de julgar, se possível, fique em silencia quando não tiver nada bom a dizer.

 

Depois continue com ações mais profundas, doe seu tempo, mesmo que você reclame que não tenha, abra espaço para que a prática do bem vire rotina. Você vai ver como as coisas irão se transformar de maneira rápida e constante.

 

Opte também por ter pensamentos positivos sobre as pessoas e sobre você mesmo isso fará com que mais coisas aconteçam na sua vida. Entenda que tudo acontece em sua vida não por ações das pessoas, mas sim, por suas ações.

 

Você é o agente transformador das ações, creia nisso, viva esta ideia, se transforme, se purifique, e adote uma nova postura.

 

Praticar ações boas não é uma tarefa tão fácil como se pensa, mas é uma tarefa que pode te recompensar muito.

Como fazer o bem pode transformar a sua vida

Muitos afirmam que nascemos puros e inocentes, mas na verdade o que é acontece é que nascemos neutros. Não sabemos o que é certo ou errado, e ao longo do tempo as pessoas e a própria vida tende a nos ensinar isso.

 

A menos que sejamos estimulados desde muito cedo, não estamos preocupados em fazer ações boas para as pessoas, mas sim, somos treinados a nos preocuparmos com nós mesmos.

 

Um exemplo simples disso, e que acontece em muitas escolas pode ser demonstrado com somos criados de maneira a acreditar que fazer ações para o nosso próprio bem é melhor do que fazer ações que incluam o outro.

 

Suponhamos que seu filho não tenha tirado boas notas nos últimos meses porque tem conversado muito na aula com um coleguinha. A primeira reação de que muitos pais tem com essa criança é a de pedir para que a professora separe estas duas crianças.

 

Ótimo, problema resolvido, o seu filho poderá ser um bom aluno pois parou de receber influências externas. Mas e a outra criança? O que aconteceu com ela, será que ela também está sendo beneficiada?

 

As crianças crescem acreditando que não devem se importar com os outros, apenas com elas mesmas. E se ao invés de separarmos nossos filhos organizássemos grupos de estudos para que uns pudessem ajudar os outros?

 

E se o melhor aluno da sala pudesse passar um pouco de seu conhecimento aos outros? Ora, não estaria ele, reforçando o que aprendeu ao ajudar seus colegas?

 

Mas infelizmente somos criados em um estilo de competitividade tão grande e massivo que esquecemos o que é ser bom verdadeiramente e nos focamos apenas em cumprir metas.

 

É válido ressaltar que as metas são um excelente caminho para que comecemos a conquistar nossos sonhos. Mas as metas, muitas vezes, não incluem a humanidade.

 

Estamos tão focados em sermos melhor que as pessoas que passamos por cima delas com um trator se for possível.

 

E se ao invés de buscar o melhor para mim, começássemos a buscar o melhor para nós?

 

Ações benéficas mudam o nosso jeito de pensar, nos tornamos menos fúteis e mesquinhos e mais amorosos e amigos. É através das boas ações que conseguimos ajudar as pessoas, mas também conseguimos uma transformação interna.

 

Assim como as experiências ruins marcam a sua vida, as experiências boas também podem marcar. Estamos em constante evolução, e isso é importante para a transformação de nosso caráter e modo como lidamos com as coisas no dia-a-dia.

 

Gestos de bondade, ao contrário do que muitos pensam, é o que nos tornam pessoas mais fortes.

Não entendeu o significado disso?

 

Quando você passa a compreender a bondade, a se importar com as pessoas, toda a sua ilusão de mundo perfeito se desfaz. Você compreende que existem muitas coisas tristes no mundo, e será preciso muito trabalho para consertá-las.

 

Agora você já sabe e compreende a dor do outro, e além de lidar com as suas frustrações, também terá que entender como passar por tudo isso, e ainda acreditar que a vida pode e tem algo bom para nos mostrar.

 

Não será fácil, você vai chorar, vai doer muito, mas ao absorver todas estas informações você se tornará uma pessoa muito mais forte do que acredita.

 

Pequenos problemas não conseguirão mais te abalar, você vai passar a acreditar mais em si mesmo e ter mais fé no futuro.

 

Você começa a entender o agora com mais serenidade, e descobre que não é possível consertar o mundo do todo, mas uma parcela do mundo que está ao seu redor.

Faça a sua parte

Ao longo de nossas vidas ouvimos tantas justificativas as quais as pessoas utilizam para não ter boas ações, ou pior, para realizarem algumas ações ruins.

 

São pensamentos pequenos mas que mostram o verdadeiro caráter da pessoa como por exemplo “Vou jogar lixo na rua porque daqui a pouco a varredeira vai passar e todo mundo joga mesmo”.

 

São pensamentos pobres, medíocres do estilo “se todo mundo faz eu também vou fazer”. Como sua mãe já deve ter dito, você não é todo mundo. Se cada um fizesse pelo menos a sua parte, isso já seria suficiente para mudar as coisas.

 

Por isso, mesmo que as pessoas te digam ao contrário, mesmo que você ache que aquela atitude está sendo inútil, mesmo assim, não deixe de fazê-la.

 

Muitas vezes, o mundo, as pessoas e animais que nele vivem, só precisam de um pouquinho do que você tem para oferecer para que se sintam bem.

 

Você é sim 1 em 7 bilhões de pessoas que vivem no planeta. Mas é um ser incrível, dotado de inteligência, racionalidade, amor e consciência, a mudança pode sim começar por você.

A fábula da menina do vestido Azul

Havia uma menina muito bonita que ia para a escola toda maltrapilha e suja. Certo dia, um professor observou o quanto aquela menina era bonita e como ficaria bem em um novo vestido. Assim, ele comprou um vestido azul e lhe presenteou.

 

Chegando em casa, ao mostrar aquele belo vestido para sua mãe, a mesma pensou “Que lindo vestido, ele não pode ser usado em uma menina tão sujinha”, por isso, ela deu banho e penteou os cabelos da filha.

 

Ao chegar em casa, o pai, ao ver a filha linda, limpa e com um belo vestido pensou “Que linda filha, uma menina tão bonita dessas não pode ficar em uma casa tão velha e desajeitada”. E assim, ele começou a reformar seu lar, pintando e consertando portas e janelas velhas.

 

Os vizinhos, ao verem a ação do pai daquela criança pensaram “Que linda casa, nossa casa precisa ser arrumada assim como essa”, e aos poucos cada um começou a reformar suas casas.

 

Logo, a vizinhança começou a ficar mais linda, e o prefeito, vendo toda mobilização dos moradores pensou consigo “Que lindo bairro, um bairro assim não pode ficar sem asfalto” e assim, colocou asfalto ali.

 

Em pensar que tudo começou por causa de um vestido azul.

 

Entendeu como funciona a dinâmica do faça a sua parte e como ela pode influenciar na vida das outras pessoas?

Fazer o bem proporciona boa saúde

Praticar boas ações não garantem apenas crescimento e satisfação pessoal, elas também são capazes de garantir boa saúde.

 

Um estudo realizado pela Universidade da Califórnia mostrou que a prática de boas ações tendem a reduzir o risco de depressão nas pessoas.

 

Assim, o estudo indicou que jovens que buscaram o próprio prazer ao invés da prática do bem, apresentaram diversos sintomas de depressão, enquanto aqueles que se dedicaram a boas práticas tiveram estes sintomas diminuídos.

 

A explicação para isso é que pessoas que desenvolvem atividades de ajuda ao próximo tem a autoestima mais elevada e boa saúde mental, além de que, quando na prática de boas ações tem hormônios de prazer liberados, como por exemplo, a endorfina.

 

A prática de boas ações também diminui os sintomas da ansiedade e também reduz dores de cabeça ou insônia, além de ajudar no sistema imunológico.

 

A ciência explica esse fato indicando que ao contrário de ações do dia-a-dia que nos causam estresse, as boas ações ajudam a diminuir hormônio do estresse.

 

Uma teoria desenvolvida por Sam Bowles, professor do Instituo Santa Fé, nos Estados Unidos, intitulada como “sobrevivência do mais gentil “mostrou através de estudos que civilizações que se comprometem a desenvolver um trabalho conjunto tendem a sobreviver. É o pensar no bem comum e não no individual.

 

Outra pesquisa, também desenvolvida nos Estados Unidos pelo neurocientista Jorge Moll Neto e seu colega Jordam Grafaman analisou o cérebro de 19 jovens que receberam a quantia de US$ 128 e poderiam escolher entre pegar esta quantia para si ou doarem para um instituição de caridade que escolhessem.

 

Ao mapearem a reação cerebral de cada um deles, os cientistas descobriram que os jovens que optaram por doar o dinheiro tinham ativadas em seu cérebro áreas ligadas ao prazer.

 

Uma pesquisa também mostrou que na hora de fazermos a escolha de parceiros, segundo o psicólogo Barclay, preferimos aqueles que são mais altruístas.

 

A ciência também prova que a prática de boas ações pode melhorar nossa vida. O que temos a fazer agora, é começar.

 

Vamos a algumas dicas valiosas para transformarmos nossas ações em boas ações.

 

Doe dinheiro

Algumas pessoas são ligadas ao dinheiro que não conseguem abrir mão dele de maneira nenhuma. No entanto, a vida é um espaço democrático que nos dá e nos tira algo com a mesma intensidade.

Isso quer dizer que talvez hoje você não precise de ajuda financeira, mas amanhã, queiramos que não, mas se precisar? Será que você já pensou nisso.

E não é preciso doar fortunas ( a menos que você queira e possa), uma simples doação do que você pode, ajudará muito alguém necessitado.

Doe seu tempo

Não tenho dinheiro para doar, esse não é o problema, você pode doar seu tempo, que também é muito valioso.

Existem tantas instituições de crianças e idosos precisando de voluntários, existem tantas comunidades terapêuticas que trabalham no trato da dependência química.

Você pode ajudar, existe em você alguma habilidade específica que pode ajudar estas pessoas, pode ser ler uma história, cortar cabelo, ensinar algo, ou apenas ouvir o que as essas pessoas tem a dizer.

O mundo está pobre de carinho, e isso é de graça !

Peça perdão

Quantas vezes você magoou pessoas que te amam? Pedir perdão é uma nobre ação que você deve pôr em prática.

Algumas pessoas esperam a vida toda por isso, não faça com que elas esperem ainda mais, engula seu orgulho.

Dê o perdão

Sentimentos ruins não podem ser guardados em caixinhas e estimados como bibelôs, sentimentos ruins devem ser jogados fora.

Mesmo que alguém não tenha pedido seu perdão, mas se você precisa perdoar, então perdoe.

Esta além de ser uma boa ação para o outro, é também uma boa ação para si mesmo que gerará bons frutos.

Visite um amigo distante

Vivemos em uma época determinada pela frase “Vamos marcar algo” e assim você passa meses nesta expectativa de reencontrá-la.

Mas amizades verdadeiras precisam ser alimentadas pessoalmente, então que tão usar aquele dia que você saiu mais cedo do trabalho, passar na padaria e pegar um bolo para que você possam comer juntos, você e seu amigo.

Faça trabalhos na escola dos seus filhos

Seja uma escola pública ou particular, qualquer uma delas está fazendo um trabalho lindo: o de preparar os seus filhos para a vida. Que tal ter um pouco de gratidão e ajudar esta escola no que ela precisa.

Muitas vezes, a escola também precisa de uma ajudinha extra com os alunos em um passeio foram do ambiente escolar, na limpeza de algum ambiente, na organização de algum evento, então por que não mostrar o quanto você estima o lugar que oferece educação para os seus filhos.

Economize água e energia elétrica

Não é preciso dizer o quanto esta ação ajuda o mundo e o seu bolso não é mesmo?

Vivemos em uma época onde os recursos naturais devem ser preservados para um bem maior, e isso é possível com pequenas ações, como uma tomada desligada, e uma torneira sem pingar.

Recolha o lixo de alguém

Não é porque você não jogou o lixo na rua que você está proibido de recolhê-lo, lembre-se de que fazer a sua parte é muito importante. Por isso, se você acredita que é possível recolher o lixo da frente da sua casa, ou até mesmo aquela latinha jogada na rua, não passe por eles como se não existissem.

Pergunte às pessoas se elas precisam de algo

Não é necessário ser um mágico ou ter uma bola de cristal para perceber quando alguém não está bem, seres humanos dão sinais, os animais também (porém no caso dos animais você terá que se esforçar mais um pouco ).

Então, não ignore a dor do outro, seja gentil e pergunte se pode ser útil em alguma coisa, mesmo que receba uma resposta negativa, acredite, a sua preocupação mostrou que você se importa. E ter alguém se importando é sempre bom, mostra que temos valor.

Comece hoje!

Por não ser um habito normalmente praticado pela maioria das pessoas, fazer o bem se torna algo quase que esquecido.

Não deixe de começar o quanto antes a prática do bem.

Certeza que quando você menos espera, coisas maravilhosas vão acontecer em sua vida.

ESCRITO POR:

Daniel Tito

Daniel Tito

Aprendiz

BAIXE AGORA NOSSOS
E-BOOKs 😜

loading...

OUTROS ARTIGOS BEM LEGAIS 😜

Tudo sobre Administração de Empresas

Tudo sobre MINDSET

10 Livros para Jovem Empreendedor

Todos os direitos reservados – Jovens Mestres Academy® – 2019

Fechar Menu